Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Retrospectiva 2016
Publicidade

Onda de atentados coloca Europa em permanente estado de alerta

Ataques como o de Nice, em julho, e o de Bruxelas voltaram a aterrorizar todo o continente

News|Do R7

França permanece em estado de emergência até janeiro de 2017
França permanece em estado de emergência até janeiro de 2017 França permanece em estado de emergência até janeiro de 2017

A onda de atentados que assolou a Europa nos últimos tempos fez o continente entrar em permanente estado de alerta, algo que não ocorria desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

Organizados em sua maioria pelo Estado Islâmico, os ataques de 2016 mantiveram a França como um dos principais alvos, realçando a vulnerabilidade da Bélgica em lidar com a ameaça de guerra a partir de seu território.

França e Bélgica foram alvos de dois ataques altamente letais neste ano. Na Bélgica, dois atentados aterrorizaram Bruxelas em 22 de março, ocorridos no metrô (estação Maelbeek/Maalbeek) e no aeroporto de Zaventem, deixando 35 mortos, entre os quais os agressores suicidas.

Já a França foi palco do terror em 14 de julho, em Nice, durante a comemoração do Dia da Bastilha. O franco-tunisiano Mohamed Bouhlel, em nome do Estado Islâmico, assassinou pelo menos 84 pessoas ao entrar velozmente em uma avenida na costa da cidade, dirigindo um caminhão.

Publicidade

Ações como estas têm deixado cada vez mais a Europa inteira (a Alemanha também foi alvo de ataques) em clima de guerra. O presidente francês, François Hollande, após as mortes em Nice, ressaltou que a guerra contra o terrorismo, a ser travada em todo o continente, "será longa".

— Estamos diante de uma ameaça global que precisa de respostas globais.

Publicidade

O governo francês conseguiu até alterar a legislação relativa a estado de emergência, que foi declarado no país após os ataques terroristas de novembro de 2015. O prazo, previsto anteriormente para um máximo de três meses, está se estendendo para pelo menos até janeiro de 2017.

Este tipo de estado permite que revistas policiais e administrativas ocorram a qualquer hora, sem a necessidade de autorização judicial. Prisões domiciliares de suspeitos também ficam facilitadas. Sigilos telefônicos e análise de computadores e gravações de conversas também podem ocorrer com maior frequência. A iniciativa gerou críticas ao governo, com acusações de abuso de poder e supressão de direitos.

Publicidade

A Bélgica, desde os ataques na França em 2015, entrou também em estado de emergência. Na época da Eurocopa, em junho na França, a polícia belga fez batidas em dezenas de moradias, prendendo 12 suspeitos em meio a ampla operação antiterrorismo, diante do que considerava a iminência de um novo atentado.

A questão turca

Também a Turquia, cujo território em parte está na Europa, tem sido um centro nevrálgico deste tipo de ação. Após tentativa de golpe em julho, e sob permanente ameaça de atentados, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan colocou o país sob estado de emergência por três meses, iniciando ampla perseguição a opositores.

A Turquia é uma fronteira entre a Europa e o Oriente Médio e lida com pressões internas - de radicais islâmicos e separatistas curdos - e externas, vindas das guerras na Siria e no Iraque. Por lá acabam transitando extremistas islâmicos que se deslocam para outros países com a missão de realizar atentados.

Em 12 de janeiro de 2016 na Praça Sultanahmet, centro de Istambul, uma explosão provocou a morte de 11 pessoas e deixou 15 feridos. A autoria foi reivindicada pelo Estado Islâmico. Na capital Ancara, em 17 de fevereiro, a explosão de um carro-bomba deixou 28 mortos.

O que sabemos (e queremos saber) sobre atentados na Bélgica?

Turquia prendeu 16 mil pessoas em inquérito pós-golpe, diz ministro

Os Estados Unidos não ficaram a salvo de situação similar. No que foi considerado o mais letal atentado nos Estados Unidos desde 11 de setembro de 2001, a boate Pulse, em Orlando, Flórida, foi palco de um massacre, ligado ao Estado Islâmico, que causou a morte de pelos menos 50 pessoas.

Entre outras ações, ocorreram também atentados em Jacarta (Indonésia), Ouagadougou (Burkina Faso), Sinai (Egito) e Charsadda (Paquistão).

Conheça o R7 Play e assista a todos os programas da Record na íntegra!

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.